Combo Negritude

0 Opiniões

Não disponível

Enviar
Avise-me quando estiver disponível
Sinopse

 James Hal Cone foi um dos mais importantes teólogos dos Estados Unidos. Considerado o pai da teologia negra, ficou conhecido, principalmente, por defender a existência de uma teologia que deveria ser usada para libertação da população negra.

O teólogo nasceu em 1938 no estado de Arkansas, no sul do Estados Unidos. Cresceu, viveu e sentiu na pele a segregação e desigualdade racial da cidade de Bearden, onde frequentou com a sua família a Igreja Episcopal Metodista Africana da Macedônia. E essa experiência é elementar para o desenvolvimento de sua obra, que está alicerçada na luta por emancipação das populações negras nos Estados Unidos.

Bacharel em Teologia, Mestre e Doutor em Filosofia, James Cone foi o primeiro professor negro na Union Theological Seminary, em Nova York. Um espaço amplamente conhecido por ser progressista, mas que não contava com uma participação significativa de pessoas negras. 

Com um legado inquestionável, o pensamento de James Cone ainda está emaranhado nas atuais lutas de libertação de pessoas negras, indígenas e de outros grupos racializados no contexto ocidental. Amplamente citado por intelectuais como bell hooks, Paulo Freire e Cornel West, James Cone é uma referência incontornável para a luta antirracista.

Após anos esgotados, Teologia Negra e Deus dos Oprimidos são lançados no Brasil em novas edições com um box exclusivo. O projeto gráfico do Box James Cone e das capas dos livros é assinado pelo artista Breno Loeser e, ao fazer releituras de cenas bíblicas, nos traz personagens fora do padrão branco ocidental. Além do belo projeto gráfico, os livros contam com prefácios e apresentações especiais. 

Teologia Negra é prefaciado pelo teólogo e intelectual Ronilso Pacheco e possui apresentação do Pastor metodista Rás Guimarães. Deus dos Oprimidos possui prefácio do filósofo e um dos principais intelectuais atuais do Brasil Silvio de Almeida e apresentação do Pastor Henrique Vieira.

Lançados originalmente em 1970  e 1975, nos Estados Unidos, os livros foram escritos no espírito da luta dos direitos civis nos Estados Unidos e abordam temas como o racismo, a luta antirracista, a desigualdade social e as questões de gênero, sob uma perspectiva que permanece atual até hoje. Não perca a oportunidade de revisitar esta grande obra.

 

 


"O presente livro aborda, com propriedade e de forma bem documentada, a história das prisões e seu impacto no contexto brasileiro, bem como suas conotações religiosas e teológicas. O Brasil tem a terceira maior população carcerária no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos e da China. Estão nas prisões principalmente homens jovens, negros e pobres, refletindo uma situação de ampla marginalização e criminalização destas populações. Na população em geral é difundido uma noção de justiça retributiva: o "justo" castigo para uma transgressão. Já o argumento aqui desenvolvido a partir da teologia cristã promove, de forma pertinente e convincente, uma justiça transformadora e restauradora."
Rudolf von Sinner Professor de Teologia Sistemática na PUCPR


Gente que ama e que se compadece: este escrito é para vocês.Ele nasce do chão da vida que temos caminhado e da história que temos costurado. A vida de pessoas como nós, que pegamos trem e ficamos em pé em quase todos os horários, que ficamos travados na porta do banco algumas (muitas) vezes, que fomos e somos rejeitados emocionalmente, que tivemos dificuldades de enxergar Deus em nós. Carregamos inúmeras histórias racistas em nossa pele, mas não queremos resumir nossa espiritualidade por histórias de dor. Queremos ir além do que a sociedade nos impõe, pois somos pessoas dignas de Cristo. Que este livro ajudea extirpar o racismo das nossas comunidades de fé, a partir da fé cristã exercida numa prática pastoral antirracista.Que nossas vozes endossem outras vozes, no poder do Espírito que gera comunhão, libertação, cura e evangelização. Que nossos corpos sejam libertos do racismo e isso afete diretamente o trabalho da igreja brasileira. Que sejamos, todas e todos, pastoras e pastores do nosso povo, no nosso tempo, enquanto houver tempo. O longe está perto, é tudo para ontem. Agora, vamos!

Avaliações

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.
Sobre o autor

Produtos visitados